quarta-feira, 26 de junho de 2013

Um pouco de Cidadania, por favor!! BC #Protestomaterno


Nesse momento em que todos estamos exigindo nossos direitos resolvi fazer esse post, que faz parte da BC # Protesto Materno, falar um pouco sobre nossos deveres.

Nos achamos muito solidários e ao mesmo tempo somos pouco cidadãos. Temos uma dificuldade enorme de respeitar o espaço do próximo e de pensar no coletivo. Ouvimos som alto e deixamos os carros atravessados na rua e ainda achamos ruim quando alguém reclama. Não temos a menor noção que o publico nos pertence e não é responsabilidade só dos governantes, por isso jogamos lixo no chão e ainda achamos um absurdo nossa cidade ser suja. Somos grosseiros quando estamos ao volante e muitas vezes não damos passagem, sem perceber que isso contribui para o caos que vivemos no trânsito. Somos tão imaturos politicamente que acreditamos que politica não se discuti e tratamos eleições como campeonato de futebol e os partidos como times, e quando muito buscamos as propostas que nos beneficiaria diretamente. São poucos os que pensam no coletivo.

Estamos querendo uma reforma politica, que está mais que na hora e se faz mais do que necessária, mas também precisamos de uma reforma cultural. Devemos abrir mão do jeitinho para agarrar as soluções reais. Se não queremos políticos corruptos não devemos ser corruptos e muito menos corruptíveis. Temos que abrir mão dos esquemas  e encarar as coisas de frente, por menor que ela seja o q vale é o conceito "burlar as leis para benefício próprio" que está errado.

É claro que esse comportamento nada mais é do que o resultado de anos de exploração somado a anos de ditadura, porém cabe a nós cidadãos e pais mudar esse perfil.

A rua se faz necessária no momento, mas ela é pequena para as mudanças que queremos. Vamos impedir que o Legislativo decida assuntos tão individuais, como a homossexualidade, e tão banais, como nome de ruas, e comece a trabalhar de fato. Para isso precisamos participar das assembléias a que temos direito.

Acredito que uma nação é feita pelos governantes e pelo seu povo, por isso para ter um Brasil melhor para meus filhos preciso que meus filhos sejam mais cidadãos para o Brasil!!

Bjs

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Os Bastidores da Festa

Por conta da minha paixão por festas, principalmente as caseiras, resolvi dividir com todos como as faço. Espero que esse post ajude as festeiras!!!!

Planejamento
                                   fonte: google

Nesse momento decida o Tema, o Lugar e os Convidados, daqui nascerá o restante da festa!!
  • Tema - para os pequeninos é uma escolha difícil pois eles pouco participam. Na festa de 1 aninho dos meus filhos eu escolhi algo que eles gostavam: o Nanni adorava o Cocoricó e a Manu é apaixonada por mato, então Borboletas. No segundo ano do Nanni eu dei duas opções para ele, a escolha foi Carros e no terceiro perguntei para ele o que achava de uma festa de Lobo e ele topou na hora! Sobrou até para a sobrinha uma festa de bonecas já que vivia com umas Bonecas a tira-colo kkk. Tema decidido?

  • Lugar - determinar o espaço é fundamental para depois pensar na decoração e na quantidade de convidados, se será necessário alugar mesas e cadeiras ou até se comporta piscina de bolinha e pula-pula.

  • Convidados - é sempre um dilema pensar em quem convidar, pois temos que levar em conta o valor da festa (aumenta conforme o número de convidados) e o espaço que temos. Os primeiros aniversários acabam sendo só com a família, principalmente quando ela é grande; depois se faz necessário a presença de crianças e, de preferência, as que convivam com o aniversariante.


Mãos a Obra
Tudo escolhido e decidido, hora do próximo passo: definir o Cardápio, a Decoração e as Brincadeiras.

fonte: google

  • Cardápio - os doces geralmente fazem parte da decoração, por isso acabo fazendo sempre algo relacionado com o tema. Os salgados são o maior dilema e variam com o horário da festa. Como minhas festas são a tarde, depois do almoço, abuso das tortas, pães de Metro e com patês, saladas (já fiz Tabule, mas existem outras opções), cachorro-quente e batata congelada (que assadas são o maior sucesso!!). Deixo à vontade dos convidados se servirem, mas isso só é tranquilo quando se dispõe de uma mesa grande para não ser necessário repor a todo instante. Normalmente sou eu mesma que faço, claro que conto com as avós, bisa e tias!!!
    • Quantidade - quando penso na quantidade sigo a proporção abaixo geralmente e divido entre os pratos que vou servir. Acabei de descobrir que o site da Revista Crescer faz todo o calculo e ainda dá dicas de quantidade:
      • cerveja = 600ml/ pessoa
      • refrigerante/água/suco = 500ml/pessoa
      • salgado = 8 a 10/ pessoa
      • pão de metro = 1 Metro/ 6 pessoas
      • doce = 4 a 6/ pessoa
      • bolo = 100g/ pessoa
    •   Esses cálculos valem também para quando se contrata um serviço.
  • Decoração - com o tema já escolhido defino de 2 a 3 cores para trabalhar e vou para o Printerest procurar inspiração. Pensando nos doces e nas louças que tenho a disposição, começo a pensar também na mesa do bolo e mesas dos convidados. Enquanto isso já vou fazendo a arte digital e os demais detalhes da festa. Aqui valem as perguntas: terá bexiga? - (ajuda a enfeitar o salão); o que terá atrás da mesa do bolo? - (painéis em forma de cortinas com tecidos, fitas de cetim e bandeirinhas são uma boa opção); você quer uma mesa com bonecos ou clean? - (eu prefiro as clean, nelas se investem nos detalhes); terá painéis? - (depois da festa do Nanni fiquei fã!!! Eles ajudam a decorar o salão e a incrementar a festa); enfeites das mesas de convidados terão lembrancinhas?; quem fará a decoração? - (mesmo para contratar esse serviço precisa de antecedência)
    • Lembrancinha - faço junto com a decoração e muitas vezes a uso como parte da mesma. Tem que ser pensada à quem se direciona: crianças ou adultos? Nas festas desse ano eu fiz para os dois, a criançada se diverte em levar os doces da festa para casa e também dá para usar a criatividade (confeccionar algo na oficina, massinha, kit de pintar e kit de higiene) para os adultos algo simples, porém elaborado. As lembrancinhas estão ligadas ao tema da festa, nem que seja apenas pela arte digital.
    • Faça Você Mesma - os materiais que uso para a decoração eu compro nos comércios populares de Santo Amaro e 25 de Março. A grande diferença entre esses locais é a variedade, na 25 existem mais opções de lojas e objetos e o preço é praticamente o mesmo.
    • Arte Digital - normalmente faço a arte digital no Power-Point usando Kit de Scrapbook Digital e papeis de Scrapbook. Como eu faço? Não sei kkkkk!!! É de tanto mexer que vou chegando ao que desejo ;)

  • Brincadeiras - é bom pensar na idade das crianças convidadas e na do aniversariante. Muitas vezes o playground do prédio já é suficiente e vale lembrar que as próprias crianças inventão a brincadeira, basta espaço e material para soltar a criatividade. Já usei piscina de bolinhas, que foi um sucesso com todas as crianças e oficina de sucata com contação de história - as crianças adoraram mas necessita de monitoramento. Para a oficina eu levei tudo semi-pronto e fui montando com eles.


Dia da Festa

fonte: google

A arrumação começa uma semana antes. Durante a semana dá para preparar os doces com os tags, embalar as balas e preparar tudo que não estraga. Na véspera decoro o salão e faço algumas comidas. No dia deixo para arrumar as comidas na mesa e preparar os pratos frescos. Não se esqueça:
  • Trilha Sonora - que tipo de música tocar? Hoje podemos lançar mão de muitas mídias musicais mas definir o estilo é necessário. Costumo deixar tocando no começo da festa músicas que tem a cara de nossa família, de adulto mesmo, por aqui ouvimos rock e é isso que toca. Conforme as crianças vão chegando coloco as músicas que os pequenos gostam. Para quem acha muito, música de adulto em festa infantil, uma boa opção são os projetos Kids existentes pelo mundo como o da Adriana Calcanhoto - Pirilin, do Pato Fu e até Palavra Cantada, são músicas boas feitas para crianças com arranjos elaborados.

  • Presentes - abrir ou não os presentes? Deixo a critério das crianças, afinal qual a vantagem de receber um presente em mãos e não poder abrí-lo? Normalmente eles só querem abrir os  primeiros, depois a brincadeira fica tão boa que eles mal param para dizer oi kkk. Então para todos os casos é bom ter uma caixa para guardar os presentes e uma caneta para os convidados identificá-los.

  • Imprevistos - se tem uma coisa que podemos ter certeza que irá acontecer na festa são imprevistos!! É a comida que não chega ou ficou ruim; é a bexiga que estoura; é a toalha da mesa que não serve,;é o refrigerante que acaba... Enfim qualquer coisa poderá sair do planejado, por isso relaxe e aproveite sua festa com o que ela tem, use a criatividade para resolve-los e não se estresse, afinal você é a única pessoa na festa que sabe o que deu errado!!
E agora, ficaram mais preparadas para a festa?

Bjs

terça-feira, 11 de junho de 2013

Festa do Nanni

A Festa do Lobo chegou!!!

Os sorrisos e gritos do Nanni foram revigorantes e me mostraram que valeu apena cada minuto que passei trancafiada fazendo as artes para o aniversário. Então quando eu me queixar novamente, por favor, me lembre desse momento e não me levem muito a sério porque A-DO-RO montar cada detalhe dos aniversários dos meus pequenos. ;)

Como DISSE usei três Lobos de 3 histórias diferentes. Usei os lobos das histórias da Chapeuzinhos Coloridos de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, o dos Três Porquinhos da Disney e o da Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque e Ziraldo

E como toda festa começa com convite..
O convite


Os Lobos que fizeram parte da arte digital, dos paineis da parede e da inspiração...

Chapeuzinho Amarelo e Três Porquinhos

Chapeuzinhos Coloridos

 
Os maiores eu coloquei nas mesas dos convidados, que decorei com lata de leites de 400g encapadas com musgo seco, sisal ou juta e coloquei meia bola de grama imitando uma arvorezinha, os Lobos e o no. 3 ficaram em palitos de churrarsco. Nas mesas usei toalhas de TNT verde escuro e claro.
 

Mesa dos convidados 
 
 
O salão decorei com árvores feitas com papel espelho e papel camurça, bexigas verdes e marrons, além do painel com os três Lobos que coloquei na maior parede do salão.
 
A parede do painel
 

O painel feito de EVA
 

As árvores
 
 
Minha maior preocupação foi com o divertimento das crianças, por isso fiz um cantinho só para elas. E as histórias e Lobos foram lembrados a todo o instante!!! Na parede fiz um painel com a sombra do Lobo da Chapeuzinho Amarelo (feito em EVA), o mesmo que usei no convite. Teve amarelinha no chão lembrando mais uma vez a Chapeuzinho amarelo. Fantoches de Lobos, 3 um preto, um branco e um marrom feitos de caixa de suco e um fantoche de tecido que fez o maior sucesso!!! (empréstimo da nossa amiga Cris ou Tia Cris). Mascaras de EVA de porquinhos e de Lobo, além do chapeu amarelo. Coloquei tudo isso dentro de uma cesta de madeira para lembrar a Chapeuzinho Vermelho. E bambole que fez a alegria da criançada e da "adultada"  kkkkk


Espaço para as crianças
 

O painel e os brinquedos
 
 
Agora o principal a mesa do bolo!!! Dividi a mesa em três e coloquei o Lobo correspondente com os detalhes de sua história. Os Lobos da mesa foram feitos de feltro e o quadro atrás da mesa foi feito com papelão, tecido e feltro. Como toalha usei um grande pedaço de juta.

Visão geral
 
Esse ficou entre as balinhas de gelatinas de Halloween e as gelatinas. Como a história da Chapeuzinho Amarelo se refere a medo achei uma boa idéia. As crianças adoraram!! E para ser fiel a história não poderia faltar o Bolo de Lobo Fofo (todos os PAP aqui). 

Lobo Branco
 
Bolo de Lobo Fofo
 

Para a história da Chapeuzinho Vermelho fiquei com docinhos de abobora e batata, além dos biscoitinhos de Mantecal, feitos pela Tia Tó (receita de família!!). Não faltou a cesta da Chapeuzinho com as Lembrancinhas. Abusei dos bules e xícaras para lembrar o chá com a Vovozinha.

Docinhos para a Vovozinha
 
 
Biscoitinhos
 

O Lobo segurando a cesta da Chapeuzinho cheia de Lembrancinhas
 
 
Para a história dos Três Porquinhos coloquei pirulito e confete no potinho, já que não temos nada de comida nessa história kkkk. Decorei com palha e as três casinhas para lembrar os Porquinhos.

A casinha de palha

O Lobo bufando e bufando...

Não poderia faltar brigadeiro, beijinho e bolo de palito que o Nanni adora!!! Para os salgados eu também mantive o pensamento de chá da tarde com lanchinhos e tortas.

E como o melhor da festa são as brincadeiras... começou com o papai

Nanni e Papai com língua azul
 

Nanni se sentindo o verdadeiro Lobo
 
Também teve contação de história da Chapeuzinho Amarelo e oficina de sucata com construção de Lobos de caixa de suco. Ambas organizadas e executadas por mim...kkkk


Contação de história

 
Hora da produção

As crianças levaram para casa o Lobo feito na oficina cheio de doces e a família levou uma trouxinha com doce de leite, mantecal e massinha, para estimular a criatividade.




Na hora do parabéns o Nanni colocou o capacete de Lobo e ficou todo exibido!!!
Família "Mau"
 
Todas as crianças se divertiram pra valer e mostraram que são apaixonadas pelo Lobo!! Foi uma delícia fazer esse tema de aniversário!!!
 
A alegria do aniversariante na comemoração caseira...
 
 
 
Fica aí mais idéias para vocês se inspirarem!!!
 
Bjs


terça-feira, 4 de junho de 2013

Infância em Greve!!!


Convidei o Psicólogo Franz Murillo para falar sobre o desenvolvimento infantil e ele me enviou esse texto bem diferente do que eu esperava, mas surpreendentemente MARAVILHOSO!!!  

fonte: google
 

 "A convite da Mariana, convite este que recebo muito contente, compartilho com vocês alguns pensamentos sobre o que tem sido falado sobre a criança ultimamente, principalmente do barulho que as crianças tem feito nas escolas. Os debates sobre o desenvolvimento infantil percorrem diferentes espaços – da educação, da saúde, da política -, e em alguns momentos, mostram-se bastante controversos.

 A infância, em particular, tem ocupado um espaço significativo nos meus estudos enquanto psicólogo. E apesar de ter gostado de ser criança, de gostar de criança, e trabalhar com crianças, tenho recebido em meu consultório, histórias interessantes sobre o quanto o infante tem assustado e bagunçado a família dos tempos de hoje.

A eclosão da infância de fato não é nada sutil. Ela é como deve ser: agitada, bagunceira, arteira, desafiadora, que objetiva uma única coisa: prazer. É desse montão, que a criança vai atuando com o que lhe é mais legítimo e, atualmente, um tanto efêmero na sua vivência: a exploração do mundo externo – do lado de fora. Este momento se dá a partir do ponto em que o corpo tendo um mínimo de um contorno, lança o bebê às destrezas da sua coordenação motora, com ajuda da força de seus braços e a potência de suas pernas, para começar a engatinhar.

Nos primórdios do seu governo, do lugar do rei, como já dizia Freud, o pequeno já fazia um uso muito importante dessa empreitada que daria na aventura de se tornar criança. O bebê aprende a pegar o que lhe era possível com a mão, e levar o mundo à boca. Mas sendo um sujeito esperto e perspicaz, ele se depara com a dúvida de sair do trono e buscar respostas para: “O que será que tem mais pra lá?”.

E por aí vai: engatinha, puxa cadeira, come sujeira do chão, e os pais loucos atrás. Quando anda, tropeça; alcança lugares mais altos. Logo, quebra copo, enfeite de natal, puxa o rabo do animal - É tanta excitação e novidade, é tanto poder, que os pais o destronam, levantando a bandeira do “Não!”. Não pode chupeta, não pode dormir com a mamãe, não pode mamadeira, não pode mexer, não pode por na boca. Não pode, não pode, não e não, não é não! E aí ele é bem vindo à infância. Lidar com esse bombardeio de não, é que vai inserindo a criança no mundo das regras, e localizando-a na sociabilização: eu desejo algo, mas o outro também deseja algo de mim.

O pequeno destronado parte, então, de fato, para a exploração do mundo a fora: da escolinha, da casa dos outros, do colo do pai, e tentar questionar tudo aquilo que teve de abdicar e tudo aquilo que pode ainda (re)conquistar - a criança fala, fala e fala. Canta, escreve, desenha. Começa a ver nos gibis aquilo que ela própria vive. A criança conta: 1,2,3,4, pois afinal “Só pode 1.”. Ela desenha, colocando todas essas mudanças e experiências próprias de um lugar muito louco, chamado infância.

Para dar tempo a tudo isso, tem que ter gente disposta junto. Tem que ter, além de crianças se aventurando no mesmo barco, adulto com muito amor, paciência e tempo pra deixar isso se organizar e dar campo para a construção, então, da identidade desse sujeitinho. O que acontece hoje, é que falta adulto e tempo. Não falta tinta, nem lápis de cor, nem fantoches, nem desenhos animados, nem letrinhas de EVA, nem bola, nem pipa. O mundo dos adultos ficou tão absurdamente fora de mão da infância, que a criança ficou presa no trânsito alheio.

Acredito que o que vem assustando os pais, nem seja a hiperatividade, o déficit de atenção, ou os jogos de vídeo-games violentos, mas talvez ter de lidar com as culpas de não poder participar disso tudo – de poder por eles próprios nomear a agitação do filho como normal, de nomear o déficit de atenção, na verdade, como alguém muito bem atento àquilo que lhe é prazeroso, e de poder sentar com o filho na frente da TV, e jogar um mortal kombat.

As crianças, quando se encontram na escola, náufragos do mesmo barco, acabam então, não podendo ser subjetivadas pelos pais, sendo categorizadas pelos professores e pela medicina atual.
Quando o Digimon vira Kumon, ninguém gosta. Ainda mais quando essas mudanças vêm de forma tão desapropriada, que nem os pais vão entendendo porque, mas vão seguindo às orientações dos especialistas, pois questionar o suposto saber, pouco se sustenta se pouco se sabe.

Por isso, acredito, que a grande maioria das crianças encaminhadas para atendimento, precisam unicamente brincar. E os pais, nada mais do que receber carta branca para brincar junto.
O papo aqui é descontraído, sem sermão de psicólogo, mas dando muita importância para o aprendizado que vem da relação familiar, do tempo com qualidade, e de muita brincadeira. É isso que criança reivindica! E eu, particularmente, apoio esse movimento! "

Franz Murillo, é Psicólogo e Psicanalista em formação, e atua com crianças, adolescentes, adultos e famílias em instituição e consultório particular, gosta de café, mas ainda ama Toddynho.

Gostaram? E na sua casa a infância está em greve?

Os destaques no texto são de minha autoria e fizeram Eco em mim. É bom pensar que não tem nada de errado ou inadequado nas bagunças ou nas manhas das crianças, ao contrario faz parte da INFÂNCIA.
 
fonte:google

Bjs